segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Incorreto e certeiro


O Ditador (The Dictator, EUA, 2012)
Dir: Larry Charles


Sacha Baron Cohen continua sua missão de propagar o politicamente incorreto através dos personagens inusitados que vem fazendo em seus filmes. Voltando a tocar em questões políticas, como em Borat - O Segundo Melhor Repórter do Glorioso País Cazaquistão Viaja à América, filme que o tornou conhecido pela galhofa que perpetra contra o governo norte-americano, o ator aparece agora transformado no general Aladeen.

Se especialmente em Borat, e em menor medida também em Brüno, havia um tom de humor ácido que vai ficando cansativo e agressivamente pastelão até o final daquele filme, a nuance aqui é outra. O Ditador, ao investir melhor numa trama levemente mais clássica, sem improvisos, parece mais bem organizado na desorganização que o personagem faz ao chegar à América.

Interessante essa escolha de formato porque ele perde o que de melhor havia nos dois trabalhos anteriores, a estética do documentário falso. Mas ao mesmo tempo ganha um texto um pouco mais controlado, com boas piadas, embora exageros aqui e ali não deixam de marcar presença (a cena do parto seria o exemplo mais latente nesse sentido, perde a graça à medida em que a coisa vai ficando mais estúpida e nonsense). Também o fato de Baron Cohen já ser uma ator mais conhecido dificulta que ele possa tirar sarro e graça com a estupidez média do norte-americano nas ruas.

De qualquer forma, o farsesco é uma regra seguida com afinco pelo filme. Começa pelo país de origem de Aladeen, a República de Wadiya, claramente um reduto árabe fictício onde o general abusa de seu poder ditatorial. Ao chegar aos Estados Unidos, é traído pelo tio Tamir (Bem Kigsley), substituído por um sósia e precisa retomar seu posto com a ajuda de uma ativista social (Anna Faris) e um expatriado (Jason Mantzoukas).

Embora algumas pequenas participações soem tão decepcionantes (como a de Megan Fox), são compensadas por outras mais espirituosas (Edward Norton numa pontinha), e por momentos bem engraçados (Aladeen descobrindo a masturbação – “Que bruxaria é essa?”, ele diz – é impagável).

Mas o melhor de O Ditador está guardado para o final, uma alfinetada política muito bem situada em meio à comédia geral do filme. Ao se apegar a esse personagem condenável e nos fazer torcer por ele na busca de reconquistar seu poder, o filme bate forte no ideal de democracia desenhado como um sistema de possibilidades de corrupção e favorecimento de poucos. Sem histrionismos ou exageros cômicos, e ainda munido de discurso politizado, O Ditador promete uma boa nova fase para esse humorista. 

2 comentários:

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Olá, parceiro, depois de umas pequenas férias, O FALCÃO MALTÊS está de volta, disposto a continuar celebrando sua paixão pelo cinema clássico.
Realmente o Cohen não me convence. É muito caricato.

Cumprimentos cinéfilos!
O Falcão Maltês

Rafael Carvalho disse...

Antonio, os outros filmes dele me soam mais cansativos, e no final ficam forçadísismos. Desse gosto do tom geral.