sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Os que faltavam

Por sérios problemas de saúde na família, estive um tempo ausente do blog, eu sei. E acabou que nem deu tempo de falar sobres os filmes que encerraram o último dia da Mostra Cinema Conquista. Mas eu preciso atualizar isso aqui, mesmo estando fora de casa, até como forma de não ficar parado. Então, aos filmes:

Fabricando Tom Zé (SP/BR, 2006)
Dir: Décio Matos Jr.


Faz um tempo que eu vi o trailer desse documentário e me deu muita gana de ver o filme. Sinto que Tom Zé é uma das pérolas da nossa música e eu preciso muito descobri-lo. Pois o filme reforça bastante essa vontade ao apresentar não só o tipo de som que o cara produz, mas também sua personalidade marcada pela irreverência, inteligência e ousadia.

O filme, no entanto, parece ser mais uma forma de promoção da obra de Tom Zé, reverenciando a todo o momento o trabalho dele. Mesmo assim, não se nega a discutir o problema que o musico teve com o movimento tropicalista (uma rejeição, praticamente) e o fato dele ter sido esquecido por um bom tempo no país. Mas quando o cantor e produtor norte-americano David Byrne lançou a obra desse baiano de Irará no exterior, os gringos gostaram e o abraçaram. Hoje, Tom Zé é mais um de nossos artistas que fazem mais sucesso fora do que em seu próprio país.

Deserto Feliz (PE/BR, 2007)
Dir: Paulo Caldas


Infelizmente o filme que encerrou a Mostra Cinema Conquista não foi dos mais satisfatórios (o pior dos que vi nessa Mostra). O filme narra a história de Jéssica (Nash Laila, em sua estréia no cinema) que, estuprada pelo padrasto, foge para o Recife onde se torna prostituta. Lá conhece um turista alemão (Peter Ketnath, de Cinema Aspirinas e Urubus) que pode significar uma esperança em sua vida.

Me agrada no filme a forma como a história muda de foco e só percebemos isso através da ação dos personagens; pouca coisa é verbalizada como já era de se esperar naquele ambiente tão árido e duro. Porém, o filme se mostra um tanto batido cm uma trama já bastante explorada e acaba, por não trazer nada de significativo, caindo num vazio narrativo. É praticamente um filme-clichê. E há ainda uma irritante tentativa do diretor de parecer cult ou descolado ao abusar de longos planos de câmera na mão, ou câmera subjetiva, que não possuem importância alguma para a história. Enfim, bola fora.

2 comentários:

Vulgo Dudu disse...

"Estudando o samba", do Tom Zé, é o melhor disco de música brasileira já gravado. Ao lado de "Tábua de Esmeralda", do Jorge Bem.

Eu tive a oportunidade - e o imenso prazer - de entrevistá-lo logo após o show no Palco Brasil do Rock in Rio 3. Figuraça!

Ainda não vi o doc sobre a vida dele, mas soube que ele ficou puto do Caetano Veloso aparecer! Hahahahaha! Esse é o Tom Zé!

Abs!

Kallpiercing disse...

Pôis eu vi o filme Deserto Feliz!! e achei muito bom.Principalmente o Show de interpretação,desta nova atriz(Nash Laila).Que para muitos criticos e espectadores ela foi considerada como melhor atriz em Gramado.E os organisadores não lhe deram por pura politicagem.