quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Curtas

Com o blog novo, quero aproveitar para experimentar coisas novas também. Então pensei em fazer posts com comentários rápidos acerca de impressões sobre alguns filmes que vou vendo pelo caminho, mas que não pretendo escrever textos mais longos. Espero que se torne uma constante.

Brasília 18% (Idem, BRA, 2006)
Dir: Nelson Pereira dos Santos

Nelson Pereira dos Santos é um dos poucos diretores clássicos brasileiros que ainda estão na ativa (mesmo que ele tenha ficado um tempão sem filmar ficção). E me decepcionei com esse filme tão superficial e simplório, embora a intenção de mostrar os bastidores da corrupção do poder no país seja boa. Roteiro fraco que ganha contornos interessantes quando o filme passa a intercalar delírios psicológicos do personagem principal. A maioria dos atores surgem em desempenhos fracos, salvando só a Malu Mader e a principiante Karine Carvalho. Luis Carlos Riccelli que faz o personagem principal é um desgosto de ver. E que idéia é aquela de dar nomes de grandes escritores brasileiros aos personagens? Ridículo.

Pi (Idem, EUA, 1998)
Dir: Darren Aronofsky

Interessante que a primeira vez que eu vi esse longa de estréia do Aronofsky não gostei muito não. Mas da segunda, minha relação com o filme melhorou. É bastante louco o mundo em preto-e-branco e confuso do brilhante matemático Alex (Sean Gullette) que pretende encontrar um padrão numérico para explicar as cotações da bolsa de valores e acredita que a resposta está na decodificação do número Pi (aquele mesmo da área da circunferência das aulas chatas de matemática). O diretor explora a introspecção psicológica (e perturbada) de Alex, criando um filme de corte ágil, cenas desconexas, ruídos estranhos e atmosfera de tensão. A obra possui intensa carga filosófica que parece questionar o sentido da existência, a impotência do homem diante de forças maiores e até mesmo a religiosidade. Algumas cenas podem soar confusas e nos entediar. Mesmo assim, um bom começo para quem iria fazer o excepcional Réquiem para um Sonho.

Possuídos (Bug, EUA, 2006)
Dir: William Friedkin


Do lado de fora de um pequeno quarto de hotel à beira da estrada, alguém bate na porta, mas de dentro o que se ouve são pancadas estrondosas, sons de helicóptero sobrevoando o local e um tremor com de um terremoto. São momentos assim, de forte tensão e teor psicológico, que abalam as mentes dos personagens aprisionados na sua própria paranóia. O que poderia muito bem ser um drama emocional ganha contornos assombrosos e também irreversíveis, principalmente através de atuações tão viscerais como as de Ashley Judd e Michael Shannon. O espectador sai em estado de choque, até porque não é sempre que vemos personagens arrancando os próprios dentes.

PS: Mesmo não tendo visto Tropa de Elite ainda, gostei muito da escolha de O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias como o representante nacional para o próximo Oscar. Estamos bem representados.

9 comentários:

Kamila disse...

Concordo, Rafael. Acho que estamos muito bem representados por "O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias". Um filme belo e que tem uma história que trata de temas universais. Desejo toda a sorte e sucesso ao filme do Cao Hamburger.

Andressa Cangussú disse...

Olá colega!

Legais os mini-posts!
Como te disse: nada de filmes de terrorrrrr!
E Pi será visto no findis se Dio quisere!

Meu blog tah parado devido à falta de pc =(
Mas hj o tecnico foi lah em casa e levou a cpu! Entaum segunda deve tah de volta!

Abraços!

Ronald Perrone disse...

Também gosto de análises mais curtinhas... Pi é um filme excelente! Possuidos é um dos melhores do ano e Brasilia, eu não vi...
Abraços!

Victor Nassar disse...

Rafael, achei seu blog em comentários de outros!..hehe
Muito bom por sinal!

E...que vergonha a minha, não assisti nenhum dos filmes ae..'Possuídos' eu até tenho uma justificativa: parei de assistir filmes de terror, não aguentei mais a péssima qualidade dos últimos tempos! E também devido às cópias americanas dos orientais.

Quanto ao "Ano..", achei uma boa escolha também! É um filme muitíssimo bom! MAs acho sua indicação para Oscar meio difícil ainda, mas vamos torcer!!

Abs!

Gustavo H.R. disse...

Rafael, que tortura! Todos os cinéfilos do blogosfera alheia já viram e amaram BUG, que, não sendo nada "comercial", deu as caras em poucos cinemas fora das grandes capitais. Filmes psicologicamente fortes e que usam contextos inusitados para tecer comentários atuais são sempre bem-vindos.
Já PI, por mais que se admire o experimentalismo de Aronofsky, achei cerebral demais.

Cumps.

André Setaro disse...

Parabéns pelo novo blog! Mas por que largou o outro?

Wiliam Domingos disse...

Pi ainda preciso ver....dizem que é ótimo, mas não acredito que supere Requiem...
Bug é excepcional para o cinema de terror....há tempos que algo bom não surgia!
Ahh...
Eu acho que O Ano em que meus pais saíram de Férias é mtoo bem dirigido e roteirizado, mas está sendo divulgado de uma forma que eu não vejo, na verdade eu vejo...mas pobre!
A visão da ditadura é quase inexistente, há momentos.....mas nunca sai do pano de fundo para o ato realmente...enfim!
O olhar infantil diante a ditadura...senti falta disso!
Então não sei se é um bom filme para o Oscar...
Abraço

... disse...

Passo sempre pela prateleira e olho Brasilia 18% com curiosidade, mas a sensação de me deparar com um filme fraco me impede de levar para casa nos dias em que estou mais criteriosa nas escolhas dos filmes. O Pi não vi, e de Possuídos só sei que a tradução foi duvidosa. "Bug" = Possuidos?

;-)

Vulgo Dudu disse...

Que sessão pesada, hein? rs... Eu acho "Pi" uma obra-prima. Uma aula de como fazer cinema. Aronofski mostra que melhor que ter uma boa idéia na cabeça é saber aplicar os conhecimentos cinematográficos! O uso da luz nesse filme é extraordinário, bem como a edição e a trilha. O mais bacana é que a produção custou míseros 50 mil dólares (ou algo em torno disso) e foi vendido por milhões. Depois você vai descobrindo detalhes que fazem "Pi" ficar ainda melhor. Quer ver só? O cérebro usado naquelas cenas de delírios psicológicos era de verdade...

Cara, muito bacana seu blog. Parabéns! Linkado também.

Abs.