sábado, 3 de novembro de 2007

Marca maior

Cidadão Kane (Citizen Kane, EUA, 1941)
Dir: Orson Welles


É, eu não resisti e depois de ver A Marca da Maldade, resolvi postar aqui umas poucas linhas escritas há algum tempo sobre esse trabalho do Welles que é um dos filmes que eu mais admiro na vida e não veio parar aqui no blog antes não sei por qual motivo:

Cidadão Kane é linguagem cinematográfica em estado bruto. Influenciado diretamente pelo mestre John Ford, esse outro gênio que é Orson Welles revolucionou a história do Cinema com uma das obras mais bem trabalhadas até então e com um conceito visual a frente de seu tempo. Além de esteticamente maravilhoso (e isso não é um exagero), há ainda a incrível história do homem que ergueu um vasto império na área da comunicação e se tornou grande, à custa de uma infância roubada que ainda lhe legou a amargura e o senso de firmeza cega. Tudo no filme é primoroso, da concepção dos cenários, a utilização dos espaços, a construção dos planos-seqüência, até as ótimas atuações (de todo o elenco) e o roteiro impecável. Essencial até o último fotograma.

3 comentários:

Victor Nassar disse...

Cidadão Kane é espetacular! É o uso de todos os elementos que envolvem o cinema, à exaustão!
E por algum motivo, me lembra Chaplin...deve ser a referência cinematrogáfica que ambos se tornam pra mim...


Abs!!

Mateus Selle Denardin disse...

Filme sensacional. A cada revisão ou discussão se descobrem novas interpretações. É sublime. É obra-prima.

Rafael Carvalho disse...

Não sei se o filme usa esses elementos à exaustão, Victor, mas pelo menos a gente consegue percebê-los na composição das cenas e sequências. Não à toa é uma grande referência para tantos cineastas.

De fato, Mateus, e voltar ao filme sempre faz bem para lembrarmos o gênio de Welles e sua enorme contribuição para o Cinema.