domingo, 13 de julho de 2008

Catástrofe de filme

Fim dos Tempos (The Happening, EUA, 2008)
Dir: M. Night Shyamalan



Sabe qual tem sido o problema dos filmes do Shyamalan? Está cada vez mais difícil engolir suas histórias. Depois daquele embuste que foi A Dama na Água, o cara vem com mais outra história que tenta obrigar o espectador a acreditar nos absurdos e até mesmo palhaçadas que acontecem na tela. Eu entendo perfeitamente que o cinema do Shyamalan se utiliza da catástrofe (ou do fantástico) para falar de algo maior e mais importante, mas daí a convencer o espectador com qualquer historinha já é outra coisa.

O Sexto Sentido, por exemplo, não é a história de um garotinho que vê gente morta, mas sim de um menino que precisa de atenção. Sinais não é sobre um ataque alienígena, mas sobre a retomada da fé. A Vila é a própria representação desse algo maior que a catástrofe da violência em nossa sociedade atual não deixa existir. Mas esse Fim dos Tempos me parece ser sobre a reconciliação de um casal que teve uma briguinha; ou pelo menos essa é a única razão que consigo encontrar. E aí todo o filme cai por terra.

A história tem início quando pessoas passam a morrer misteriosamente ao perderem o controle de seus atos e procurarem a maneira mais perigosa de acabar com suas vidas. Tudo isso de forma inexplicável, claro. Com as mortes tendo início na cidade de Nova York, vários lugares são alertados contra aquilo que julgam um ato terrorista. Na Filadélfia, encontramos nosso protagonista, o professor Elliot (Mark Wahlberg), juntamente com sua esposa Alma (Zooey Deschanel) e um amigo vivido por John Leguizamo. À medida que o perigo vai ficando cada vez mais próximo, fugir é a melhor solução.

No entanto, a história não possui ritmo nenhum, uma vez que os personagens estão sempre buscando resposta para aquela situação calamitosa que vem acontecendo, somente para descobrir que estavam errados e partir para outra tentativa de explicação. A impressão é que nem o próprio Shyamalan sabia o que estava fazendo e vai enrolando até chegar ao fim do filme.

Os diálogos são todos sofríveis e a música vai do piegas ao estrondoso só para dizer que existe. A Mark Wahlberg foi oferecido um personagem tão idiota que acaba tendo seu trabalho totalmente desperdiçado, e ainda precisa contracenar com uma atriz bem limitada. John Leguizamo, num personagem que prometia, é abandonado pelo roteiro logo de início.

Sobraria no meio de toda essa baboseira o olho do Shyamalan para pelo menos criar seqüências de suspense, cenas construídas de forma mais estilosa, com ângulos e enquadramentos inusitados (coisas que A Dama na Água, por exemplo, possuía muito bem, não nego), mas nem para isso o cara se deu ao trabalho. Assim, assistir a Fim dos Tempos é ter a sensação de uma hora e meia de puro desperdício.

18 comentários:

Vinícius P. disse...

Acho que após apresentar "A Dama na Água", a opinião da crítica a respeito do Shyamalan nunca mais será a mesma. Não importam mais as qualidades de seus trabalhos, possivelmente sempre será criticado por eles. "Fim dos Tempos" não chega a ser uma catástrofe, mas tem muitos defeitos mesmo. Ainda assim, acho que já é um diretor morto para a crítica, o que é uma pena.

Hélio disse...

Rafael, nao li seu texto porque ainda nao fui ver o filme. Mas me diga uma coisa, o cinema estava cheio? Teve reação da plateia do tipo risadas e xingamentos? Porque sei que as pessoas tem achado o filme ridiculo e odeio estar no cinema presenciando manifestações (concordando ou nao com elas).

To ate pensando em deixar pra ver o filme na segunda, que estara mais vazio do que hoje. Mas me diz aí se houve algo do tipo.

Abraços!

Rafael Carvalho disse...

Vinícius, concordo que depois de A Dama na Água o cara perdeu moral entre os críticos e depois desse aí a coisa fica mais complicada ainda. Mesmo assim, eu ainda acho que ele pode fazer boas coisas, pelo menos eu sempre tento assistir a um filme dele com a esperança de que seja algo digno de nota, afinal ele dirigiu O Sexto Sentido, caramba! Estava muito ansioso por esse, mas não foi dessa vez.

Hélio, a sessão de Fim dos Tempos não estava cheia e embora a sensação final da galera é de pura decepção, não houve nenhuma manifestação de chacota durante o filme. Mas bem que deu vontade de dar umas boas gargalhadas em alguns momentos.

Gustavo H.R. disse...

Meu Pai, será possível que Shyamalan esteja cavando sua própria cova, a cada novo filme?

Rafael Carvalho disse...

Pois é Senhor, ajuda o cara, não desista dele, não. Então Gustavo, a coisa tá feia pro Shyamalan, ou ele melhora logo, ou vai ficar na sargeta. E sabe o que euacho? Ele devia parar de escrever e filmar o roteiro de outras pessoas, quem sabe não dá uma mudada de ares?

Kamila disse...

Rafael, não acho "Fim dos Tempos" tão ruim assim. Apesar das falhas gritantes, como o roteiro e as atuações de Wahlberg e Deschanel, o filme consegue ser melhor que "A Dama Na Água". Mas, é inegável que Shyamalan precisa mudar a maneira com a qual ele tem feito filmes ultimamente.

Wallace Andrioli Guedes disse...

Sou daqueles que gostam de A Dama na Água, apesar de achá-lo inferior a filmes como Corpo Fechado, A Vila e O Sexto Sentido. Mas Fim dos Temos é muito fraco ! Para mim, foi o primeiro grande deslize do Shyamalan.

Chu disse...

que bom q vi aq seu comentário, pq jah ia assistir, foi o unico q me arriscaria assistir entre os q estão en cartaz (salvo wall-e, que jah vi)

me livrei dessa catastrofe

Rafael Carvalho disse...

Kamila, apesar da 1 estrela que eu dei para A Dama na Água, eu também prefiro esse Fim dos Tempos. Como eu disse, pelos menos nesse aí as cenas são bens construídas e além do mais é bem atuado. Mas esse novo filme do Shyamalana não desce de jeito nenhum.

Pelo menos descordamos que esse último é um desastre, Wallace. E dele eu só não vi Corpo Fechado!

Chu, meu amigo, eu sei o quanto tá difícil de escolher um filme bom nesse moviecom pra assistir, e olha que eu tava louco esperando por esse Fim dos Tempos. Dos que estão em cartaz só presta mesmo Wall-E. Tu gostou?

Elizio disse...

Eu daria meia estrela!

Rafael Carvalho disse...

Se eu tivesse uma meia estrela, Elizio, também seria essa a minha nota para o filme. Mas essa estrelinha aí já fala demais.

Chu disse...

wall-e é pefeito, dá até pra acreditar que daqui 700 anos será mesmo daquele jeito... rsrsrs

fabiana disse...

Eu sempre espero um algo mais do Wahlberg que nunca chega... enfim.

Hélio disse...

Cara, Fim dos Tempos nao está saindo da minha cabeça. Quanto mais penso no filme, mais fico fascinado. Nao queria reve-lo no moviecom, mas acho que vai ser o jeito...

Abraços!

Vulgo Dudu disse...

Nunca achei Shyamalan esse mestre contemporâneo do suspense que a crítica tanto badalou. Não gostei de Sexto sentido e nunca me interessei por seus outros filmes. Vejo que a maioria dos blogs comenta negativamente desse aí. Quase uma unanimidade...

Abs!

Wanderley Teixeira disse...

Nossa, Fim dos Tempos é muito ruim. Acredito que só não perca para A Dama na Água(pelo jeito vc naum concorda neste aspecto) em matéria de desastre cinematográfico do Shyamalan que desde 2006 tem me decepcionado. Gosto muito de A Vila e Sinais e espero sinceramente que o cineasta tome o rumo certo de sua carreira.

Demas disse...

Rafael, gosto da filmografia do Shyamalan. Não vejo tantos problemas assim em "Fim dos tempos". E percebi mais coisas interessantes depois que escrevi sobre o filme. E o Shyamalan sabe bem o que está fazendo, o que está construindo. Pode não estar sendo compreendido (e é um risco que ele parece querer correr). Outra coisa: mesmo entre os detratores do filme (que são muitos), a trilha sonora tem sido elogiada. Mas respeito sua opinião. Arte é uma coisa bem subjetiva: o que toca um pode passar batido para outra pessoa. É assim na música, na pintura, na literatura...
Abração

Rafael Carvalho disse...

Realmente, Chu, Wall-E é intocável. E que bom que você gostou do texto.

Fabiana, eu geralmente gosto do Wahlberg. Em Os Infiltrados, mesmo, ele tá assustador.

Incrível o que um filme faz com a gente, hein Hélio. Posso até revê-lo algum dia, mas não por agora, basta!

Então Dudu, gosto muito de O Sexto Sentido e mesmo que não dê para engolir seus roteiros esquisitos, o cara sabe sim construir bons momentos de suspense. Mas em Fim dos Tempos isso tá escasso.

Wanderley, os dois últimos filmes dele receberam a mesma nota minha, mas ainda acho que A Dama na Água tem uma direção um pouquinho mais interessante. Mas não é muita coisa, não. E também tenho essa mesma esperança de que ele melhore.

Demas, primeiramente gostei bastante de seu blog, parece bem atualizado. Vou linkar ele aqui no meu. Segundo, o bom da Arte é justamente essa possibilidde de tocar as pessoas de forma peculiar. E de nos dar a oportunidade de trocar experiências uns com os outros. Agora sobre o Shyamalan, acredito mesmo que ele saiba o que está fazendo, só que não consigo achar consistência nisso. Me parece que está tudo fora de lugar, tudo bagunçado. E algumas idéias dele soam tão ingênuas, para não dizer tolas. Abraço pra ti também!