sábado, 24 de novembro de 2007

Longas em curtas

Sem muito tempo para escrever sobre todos os filmes que vou vendo durante a Mostra, aí vai um post com textos mais curtos.

O Cheiro do Ralo (RJ/BR, 2006)
Dir: Heitor Dhalia


Uma revisão desse segundo filme de Heitor Dhalia me fez muito bem. Tanto que resolvi aumentar sua nota em meia estrela. Continuo achando o filme de uma inventividade ímpar, trazendo um sopro de renovação para o cinema nacional, que esse ano tem surpreendido bastante. Lourenço (Selton Melo) é um vendedor de objetos usados que se apaixona pela bunda de uma garçonete. Sua personalidade suja e doentia fica evidente pelo comportamento estranho e temperamental. O cheiro fétido do ralo é uma metáfora perfeita para traduzir a podridão interior desse personagem.

Diário de Sintra (RJ/BR, 2007)
Dir: Paula Gaitán


A última esposa do cineasta Glauber Rocha constrói uma narrativa poética e nostálgica acerca dos últimos dias de seu marido na cidade de Sintra, Portugal, em 1982. Mesmo que a narrativa se torne extremamente arrastada em alguns momentos, a diretora evoca as memórias familiares para construir uma narrativa fluida e subjetiva (é impossível exigir objetividade da memória). Ao fim, fica a estranha sensação de leveza como se o filme fosse a calmaria depois de passado o furacão que foi Glauber Rocha.


Estamira (RJ/BR, 2005)
Dir: Marcos Prado


Parece estranho defender um documentário que abre espaço para uma mulher com problemas mentais expor suas idéias e loucuras. Mas Estamira é um retrato duro de uma pessoa que foi vítima de um sistema social opressor, deixando-a em tal estado de confusão mental que surge dela uma persona enigmática e auto-importante. Trabalhando num lixão do Rio de Janeiro, Estamira cospe um discurso filosófico-apocalíptico do qual cria uma realidade paralela edificada na onipotência que acredita ter. O filme até assusta pelos momentos de explosão da personagem. Além disso, o diretor Marcos Pardo constrói imagens incríveis em preto-e-branco granulado, como a cena final que nada mais é do que uma metáfora da condição e trajetória de sua personagem.

Cartola – Música para os Olhos (RJ/BR, 2006)
Dir: Lírio Ferreira e Hilton Lacerda


Com um belo acervo de imagens antigas, o documentário faz um apanhado das histórias de Cartola sem a preocupação de organizá-las em ordem cronológica. São situações aleatórias que dão a dimensão desse grande ícone do samba brasileiro, entrecortada por depoimentos de muita gente boa e das antigas, também recuperada de acervos. O filme é mais uma saudação da obra do sambista do que uma pretensa cinebiografia.

4 comentários:

hélio disse...

Oi Rafael, como prometido olha eu aqui pra deixar um comentario. Parabens pelo blog.

Vou tentar escrever sobre os filmes que vi na Mostra, que no geral foi bastante positiva. Nao vi todos os filmes que queria, alguns ja tinha visto, mas no geral meus 5 grandes filmes foram (talvez nesta ordem de preferencia) Estamira, Baixio das Bestas, Céu de Suely, Cão sem Dono e Saneamento Básico. Os simpáticos foram O Ano em Que Meus Pais Sairam de Ferias, Pro Dia Nascer Feliz, Os 12 Trabalhos e Eu Me Lembro. E só dois filmes que achei bem ruins: O Cheiro do Ralo e Batismo de Sangue.

Uma pena que ja se encerra hoje e que Deserto Feliz vai ser exibido em dvd. O mesmo aconteceu com Serras da Desordem e Cartola, e com o som horrivel acabei desistindo de ver ambos, logo no inicio. O do Tom Zé tb nao vou poder ver (vou estar na locadora), mas devo ver os curtas do dia.

Um abraço e mais uma vez parabens pelos textos.

PopularBlog disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Rafael Carvalho disse...

Realmente Hélio, o saldo da Mostra foi positivo, uma pena não pude ver algumas coisas que queria muito como Serras da Desordem e Os 12 Trabalhos. Deserto Feliz decepcionou não só pela horrível projeção, mas é fraquinho também. Os melhores pra mim são O Céu de Suely, Cão Sem Dono, Estamira e O Cheiro do Ralo. O Ano, Saneamento e Pro Dia são simpáticos e o doc sobre o Tom Ze foi legal. Baixio das Bestas foi o que menos gostei. É isso, valeu pela visita e volte sempre.

Anônimo disse...

Si, probabilmente lo e